Martelinho de ouro – repare seu carro sem precisar refazer a pintura

Uma chuva de granizo ou uma batida da porta no estacionamento são exemplos de situações que causam pequenos amassados no automóvel. Mas isso pode ser resolvido com uma técnica chamada martelinho de ouro.

Este é um método artesanal de reparo no qual não é necessário repintar o local que está danificado, por essa razão é uma técnica mais econômica do que os trabalhos tradicionais de funilaria.

Dessa forma, você não precisa dirigir o seu veículo com amassados e deixá-lo desvalorizado para uma possível revenda, nem precisa depender de outros pequenos reparos de funilaria e pintura, que podem ser mais caros.

Em caso de batidas leves, é importante você conhecer um pouco mais sobre esta técnica.

Características importantes apresentadas pelo martelinho de ouro

A fim de arrumar o local amassado, o serviço tradicional tira a peça inteira para realizar o reparo e, depois, fazer a pintura. No entanto, se o dano for pequeno, isso tudo não é necessário.

Com o martelinho de ouro, o procedimento da pintura é dispensado e o reparo é realizado de forma precisa.

Por isso, conhecer os benefícios que este método oferece é importante na hora de lidar com batidas leves, uma vez que garante:

  • É mais econômico;
  • Não adere a enchimento, lixa, massa e não faz pintura;
  • É uma técnica rápida, e muitos serviços são feitos em até uma hora;
  • Mantém as características essenciais do veículo;
  • O automóvel continua a ser valorizado, pois não é feita a lanternagem, e a composição dele não é alterada;
  • Não é necessária a troca de lataria.

Como esta técnica funciona

Utilizado para desamassar carro, assim como vincos no veículo e outros pequenos danos, este método segue algumas etapas para restaurar a aparência do automóvel.

O começo de tudo é analisar a gravidade do amassado, a fim de confirmar se o reparo pode ser realizado por meio desta técnica. Se for o caso, o espaço ao redor do amassado é preparado para o início do processo.

Para continuar o serviço, é preciso encontrar o caminho adequado para se chegar à parte amassada. Portanto é necessário ser preciso e ter conhecimento para fazer a próxima etapa.

Alguns instrumentos podem ser utilizados para auxiliar nessa fase, como um quadro de luzes, que oferecerá melhor visão do local amassado para o técnico posicionar as ferramentas de forma precisa.

Outras ferramentas são usadas para massagear o exterior, a fim de que a parte amassada volte à condição inicial.

Todo o processo pode ser feito em apenas um dia, e o resultado é satisfatório, pois o carro volta a ter o mesmo aspecto que tinha antes de ser danificado.

Nos métodos tradicionais, a peça arrumada fica diferente do restante do automóvel. Assim, o dono do veículo precisa pintar todo o carro para padronizar a aparência, gastando ainda mais.

O surgimento do método

Criada nos anos 1970, na cidade de Taubaté, esta técnica é bastante conhecida no país inteiro e não levou muito tempo para as pessoas aderirem ao método.

O procedimento começou a ser realizado nas montadoras. Chamada, inicialmente, de Desamassamento Sem Pintura (DSP), no Brasil, a solução superou a fronteira das fábricas e aderiu ao nome que já conhecemos.

A procura por profissionais para realizar o serviço

Por ser uma técnica artesanal e que exige uma certa paciência, apesar de ser um processo simples, é essencial encontrar profissionais que tenham profundos conhecimentos sobre o método.

Desde 2006 no mercado, a R3 Tratamento Automotivo tem experiência e oferece este serviço, além de lavagem de automóvel e tapeçaria, com profissionais qualificados.

Se você se deparar com pequenos incidentes que danifiquem o veículo, a R3 Tratamento Automotivo elabora a solução mais adequada para resolver as falhas no seu carro e deixá-lo com a aparência de um recém-comprado.